Mostrando postagens com marcador Conto. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Conto. Mostrar todas as postagens

sexta-feira, 23 de maio de 2014

A Canja da Dona Odila

Lá pelo anos de 1967, Gilmar era na época um rapaz com seus 26 anos de idade, pedreiro por profissão. Casou-se com Odila que era mais nova de que ele em aproximadamente 6 anos. Logo que se casaram, foram morar na Vila Nova, um bairro recém formado da cidade. 

Gilmar, rapaz trabalhador, construiu e terminou sua casa antes de se casarem, trabalhando duro algumas noites e todo final de semana, pois ele prometeu que só casaria quando terminasse a casa. Contudo, apesar de trabalhador, ele tinha um problema, era muito namorador. Problema esse que Odila nunca desconfiou por causa de sua malícia e manhas de pessoa que amadureceu cedo na vida sem a assistência dos pais, melhor dizendo, apesar dela desconfiar, nunca houve uma situação que lhe desse essa certeza. 

sábado, 22 de junho de 2013

Um Segredo Para Dois

Montreal é uma cidade muito grande, mas, como todas as grandes cidades, tem algumas ruas muito pequenas, como por exemplo a rua Príncipe Edward que possui apenas quatro quarteirões de extensão, terminando em um beco sem saída. Ninguém conhecia a rua Prince Edward tão bem quanto Pierre Dupin, já que Pierre havia entregue leite para as famílias desta rua por trinta anos.

terça-feira, 25 de dezembro de 2012

Protesto de Natal


O Natal do mundo é um engano propositado. Esse ET chamado Papai Noel é uma fraude. Desvia a atenção do verdadeiro aniversariante, a saber, Jesus, para uma imagem amorfa e uma triste realidade sabotada por luzes coloridas.

Nesta comemoração, é evocado não o espírito de humildade, espiritualidade e doação, o tão falado espírito natalino como mentirosamente pregam os marketeiros, bem como, se deixam enganar as pessoas por cumprirem seu papel neste teatrinho profano, mas sim, é praticado um espírito secular maculado pela materialidade, muito barulho e egoísmo, pois nesta data as pessoas visam apenas a gastança desenfreada, a glutonaria, as bebedeiras e as festanças.

sexta-feira, 5 de outubro de 2012

Pai, Começa o Começo!

Eis um texto muito bom que está rodando na net da qual evoca em nós, os que já temos um bom tempo de caminhada, sentimentos de saudades das boas épocas que não voltam mais. E para os que estão aí começando, este texto pode ser de grande valia para valorizar o que se possui. Bem, então vamos ao que interessa:

Quando eu era criança e pegava uma tangerina para descascar, corria para meu pai e pedia: 
- "Pai, começa o começo!". O que eu queria era que ele fizesse o primeiro rasgo na casca, o mais difícil e resistente para as minhas pequenas mãos. Depois, sorridente, ele sempre acabava descascando toda a fruta para mim. Mas, outras vezes, eu mesmo tirava o restante da casca a partir daquele primeiro rasgo providencial que ele havia feito.

sábado, 28 de julho de 2012

Sabedoria x Astúcia


Houve uma vez um velho cão que se viu perdido na savana africana. Vagando a esmo e procurando o caminho de volta, o cão percebe que um jovem leopardo o viu e caminha em sua direção com intenção de conseguir um bom almoço. 

O cachorro velho pensa: 
- 'Oh, oh!' Estou mesmo enrascado! 
Olhou à volta e viu ossos espalhados no chão por perto. Em vez de apavorar-se mais ainda, o velho cão ajeita-se junto ao osso mais próximo e começa a roê-lo dando as costas ao predador.

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

As Três Irmãs


Três irmãs de 90, 88 e 86 anos de idade viviam na mesma casa. Uma noite a de 90 começa a encher a banheira para tomar banho, põe um pé dentro da banheira, faz uma pausa e grita: 

- Alguém sabe se eu estava entrando ou saindo da banheira?
A irmã de 88 responde: 
- Não sei, já subo aí para ver... 
Começa a subir as escadas, faz uma pausa, e grita: 
- Eu estava subindo as escadas, ou descendo? 
A irmã caçula, de 86, estava na cozinha tomando chá e escutando suas irmãs, move a cabeça e pensa: 
- Na verdade, espero nunca ficar assim tão esquecida. 
Bate três vezes na madeira da mesa, e logo responde: 
- Já vou ajudá-las, antes vou ver quem está batendo na porta!

Deixe a Raiva Secar


Mariana ficou toda feliz porque ganhou de presente um joguinho de chá todo azulzinho com bolinhas amarelas. No dia seguinte, Júlia, sua amiguinha, veio bem cedo convidá-la para brincar. Mariana não podia, pois iria sair com sua mãe naquela manhã. Júlia, então, pediu à coleguinha que lhe emprestasse o seu conjuntinho de chá para que ela pudesse brincar sozinha na garagem do prédio. Mariana não queria emprestar, mas, com a insistência da amiga, resolveu ceder, fazendo questão de demonstrar todo o seu ciúme por aquele brinquedo tão especial. 

terça-feira, 24 de novembro de 2009

Interpretando as Mulheres


O jovem Rei Arthur foi surpreendido pelo monarca do reino vizinho enquanto caçava furtivamente em um bosque dele. O Rei vizinho poderia tê-lo matado no ato, pois tal era o castigo para quem violasse as leis da propriedade. Contudo se comoveu ante a juventude e a simpatia de Arthur e lhe ofereceu a liberdade, desde que no prazo de um ano trouxesse a resposta a uma pergunta difícil. A pergunta era:
- O que realmente as mulheres querem?
Semelhante pergunta deixaria perplexo até o homem mais sábio, e ao jovem Arthur lhe pareceu impossível respondê-la. Contudo aquilo era melhor do que a morte, de modo que regressou ao seu reino e começou a interrogar as pessoas: A princesa, a rainha, as prostitutas, os monges, os sábios, o palhaço da corte, em suma, todos... E ninguém soube dar uma resposta convincente.